Arquivo do blog

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Lembram da nota de apoio à Coreia do Norte?

Recentemente a mídia noticiou que o PT, PCdoB etc tinham feito nota de apoio à Coreia do Norte, pois bem, recebi por e-mail nota de Valter Pomar, dirigente nacional do PT dando algumas explicações, vejamos:



"Prezados/as

Há alguns dias, o Centro Brasileiro pela Paz (Cebrapaz), entidade dirigida pelo PCdoB, divulgou em sua página eletrônica uma nota de apoio a República Popular Democrática da Coréia, popularmente conhecida como Coréia do Norte.

A nota divulgada pelo Cebrapaz e também pelo Vermelho (página eletrônica do PCdoB) trazia as assinaturas do PT, do PSB, do PCdoB e de várias outras entidades.

O jornal Folha de S.Paulo repercutiu a nota.

Só então o Partido dos Trabalhadores tomou conhecimento da existência da nota e, também, do fato de que supostamente a assinávamos.

Prontamente a página do PT divulgou um desmentido, tanto da Presidência quanto da SRI, únicas instâncias que poderiam ter assinado uma nota com tais características. O desmentido limitava-se a dizer que não havíamos assinado nota alguma, nem tampouco participado de nenhuma reunião com a finalidade de produzir uma nota acerca do tema.

Seria igualmente correto dizer que não assinaríamos uma nota como aquela, que presta solidariedade "absoluta" ao governo da Coréia do Norte.

Ontem, foi a vez do Jornal da Globo repercutir a nota. Embora dizendo que o PT e o PSB desmentiram ter assinado, a Globo agiu com evidente má fé, pois repercutiu uma informação sabidamente falsa.

A má fé da Globo, como costuma acontecer, apoiá-se em equívocos políticos e/ou de procedimentos de setores da esquerda.

Explico. Após conversar com Ronaldo Carmona e Bruno Diniz, da área internacional do PCdoB; Ismael José, da CUT DF; e Afonso Magalhães, do PT-DF, reconstituímos parcialmente os acontecimentos:

1.Foi convocado um ato de solidariedade à RPDC. 
2.O ato foi articulado por Acilino Ribeiro, do Partido Socialista Brasileiro e integrante do Movimento pela Democracia Direta.
3.Participaram do ato militantes que atuam na Central de Movimentos Sociais do Distrito Federal.
4.O ato foi realizado na Embaixada da RPDC.
5.Havia uma lista de presença.
6.Alguém assinou a lista e, no campo de entidade, colocou "PT".
7.Alguém elaborou um documento e colocou a assinatura das entidades supostamente presentes.
8.Alguém divulgou o documento e o resto todos já sabem.

Registro a respeito o seguinte;

1.Não é a primeira vez que reuniões realizadas em embaixadas de Brasilia, com um público similar a este, são posteriormente manipuladas pela grande imprensa. Ocorreu o mesmo no caso da senhora Yoani Sanchez. Registro o mesmo que antes: embaixadas estrangeiras (não importa de que país) não são local adequado para decidir ações (mesmo que notas) que serão realizadas por organizações nacionais em território nacional.

2.Não é a primeira vez que nota relativa a Coréia inclui o nome do PT, sem que o PT seja consultado. Pelo menos uma vez anterior a esta, a própria Embaixada nos enviou uma proposta de nota, já contendo a assinatura do PT, para que déssemos nosso ok. Deixo a cargo de vossa imaginação a resposta que demos a esta tentativa. Este antecedente e a linguagem da nota divulgado através da Cebrapaz me fazem ter a certeza de que a nota foi redigida ou pelo menos co-redigida pelo pessoal da Embaixada.

3.É um erro que petistas participem deste tipo de iniciativa, sem comunicar previamente às instâncias partidárias. Considero, ademais, que os envolvidos deveriam ter tomado a iniciativa de entrar em contato com as instância para explicar o ocorrido e não aguardar que descobríssemos quem estava envolvido no episódio.

4.Sobre o mérito: podemos e devemos debater a situação na península da Coréia; e não devemos cair em caricaturas e demonizações, como a grande imprensa faz em relação ao governo da RPDC. Mas é um erro cair na postura oposta, a saber, aplaudir e ser totalmente solidário à postura da Coréia do Norte. A esse respeito, recomendo analisar a postura da China e de Cuba, para ver com quantas mediações se faria uma nota a respeito."